Fábrica de Heróis
Crie seu personagem

sábado, 15 de setembro de 2012

Crítica Literária: Justice League - New 52


A nova realidade da Liga da Justiça. Contém Spoilers!
Com a onda de reboots da DC, que atingiu ao menos 90% de seus títulos, a Liga da Justiça tornou-se mais uma das "vítimas" do novo universo desencadeado pela saga FlashPoint. Nesse universo, os heróis se encontram em situações totalmente diferentes das que já estavam habituados antes e não aprenderam ainda a confiar uns nos outros.

Aqui, Superman é um solteirão de Metropolis quando está sob o disfarce de Clark Kent, virando o Superman quando o mesmo se torna necessário. Mas nesse universo, ele já não é mais o bom moço de antes.
Em Gotham City, Batman já existe a mais ou menos cinco anos, mas sua existência não passa de uma lenda urbana aos olhares dos cidadãos de Gotham (Fato enfatizado por Hal na primeira edição com a fala "Você existe?").
Lanterna Verde é o engraçadinho com o qual aprendemos a conviver, agindo como guardião do nosso setor.
Flash é o herói que tenta ser sério, mas geralmente acaba se envolvendo nas trapalhadas de seu amigo Hal Jordan.
Mulher Maravilha é a amazona que vivia na Ilha Paraíso até um tempo atrás, mas foi trazida até o continente dos homens pelo coronel Steve Trevor, com quem iniciou um relacionamento.
Aquaman é, de longe, o que tem menos importância no contexto da HQ. A participação do rei de Atlanta aqui só não é mais inesperada e desnecessária do que no longa animado Nova Fronteira.
E quanto a Vic Stone, ele ainda não é o Ciborgue, mas está destinado a ter que abandonar sua humanidade ao longo da saga.

Com todos esses heróis agindo normalmente, tocando suas duas vidas adiante, era preciso um contexto sólido para uni-los. E o nome desse mesmo é Darkseid. Já no começo somos apresentados ao Batman perseguindo uma espécie de androide por toda Gotham, sendo descoberto mais tarde que este fora trazido por um aparato chamado "caixa maternal", que ao transportar hordas de Apokolips, causam explosões catastróficas. Ele é ajudado pelo Lanterna Verde, que fica surpreso pelo seu anel não conseguir identificar o ser. Os dois acabam indo até Metropolis atrás de Superman, na esperança de ele saber de algo justamente por ser um alien.

O que eles acabam encontrando é um Superman já cansado de lutar contra os mesmos soldados que eles e que os identifica como ameaças, iniciando um combate sangrento. Desesperado, Hal liga para Barry, que larga o trabalho para ajudar o amigo como o Flash. Após muitas brigas, eles acabam conseguindo estabelecer uma ordem entre eles mesmos, tirando um tempo para conversar.

Não muito longe dali, o Dr. Stone estuda juntamente com sua equipe uma das caixas maternais, sendo visitado pelo seu filho Victor, que diferente dos planos que seu pai tinha pra ele, decidiu seguir carreira nos esportes, vindo avisar que está de saída com o time. Isso acaba gerando um atrito entre os dois e, não muito depois, a explosão do aparato apokolipsiano foi acionada. Desesperado por ver sua esposa morrer, o cientista não quer que o mesmo aconteça ao seu filho, transformando ele no titã de aço.

Quem também está confrontando as criaturas é a Mulher Maravilha. Em uma caminhada com Trevor, ela presencia outra caixa maternal transportando os monstros e parte atrás deles, encontrando com o quarteto formado a pouco antes. Ela decide se unir a eles na luta, sendo que logo depois encontram Ciborgue. Para completar o grupo, Aquaman emerge das águas, revelando que as mesmas criaturas também estão no fundo do mar.

Mas é então que o grupo tem sua aprovação definitiva. Em um confronto com Darkseid em pessoa, eles acabam sendo derrotados, e Superman sendo levado por Darkseid, sendo este um dos motivos dele invadir a Terra. Com Superman tendo sido levado a Apokolips e os outros heróis derrotados, Batman levanta-se e ordena que Lanterna Verde lidere os heróis em Terra enquanto o homem morcego resgata nosso kryptoniano favorito.

Depois de muita luta contra Darkseid, os heróis conseguem transportar o vilão para seu planeta natal novamente, fechando definitivamente todos os portais. Mesmo sem querer que a união aconteça por não serem ao mínimo amigos, os heróis acabam aceitando fundar o grupo, sendo chamados pelo escritor David Graves de Liga da Justiça.

Partindo agora para a análise, o primeiro arco da Liga da Justiça é admirável. O desenvolvimento dos personagens é realmente muito bom. Superman marrento, Batman complexado, Mulher Maravilha sem noção do mundo real, Lanterna engraçadinho, Flash meio non sense, Aquaman com ar de superior e Ciborgue desesperado com sua nova situação. O grupo é mais improvável do que na época em que foi fundado!
Mas um ponto negativo nesse arco é o fato da invasão de Darkseid não ser totalmente explicada. O arco se inicia com as tropas invadindo a Terra. Continua com a mesma tropa invadindo nosso planeta, e termina com as tropas sendo derrotadas e os membros restantes sendo mandados para Apokolips junto com seu líder. O que nós conseguimos entender disso é que ele deseja ter o Superman junto consigo, sendo possível ver que na hora em que Batman chega em Apokolips, dois servos de Darkseid meio que tentam "reformar" o cérebro do Super. O vilão também não é muito bem desenvolvido, sendo mostrado apenas como uma máquina de matar que comanda outras máquinas de matar que realiza uma chacina. Porém isso não interfere no sucesso do primeiro arco, que vai da edição #01 até a #06.

No segundo arco, que vai da edição #07 até a #12 (Com exceção da edição #08, que será tratada no fim do post), vemos a Liga já com algum tempo de atividade. Os heróis agora estão juntos como um time sólido, agindo na Torre de Observação finalmente. Diana terminou seu relacionamento com Steve, o que o fez entrar em um estado de semi-depressão, mas os dois ainda continuam amigos e o coronel é o contato deles com o governo. Mas agora a ameaça enfrentada não é uma horda vinda de outro planeta, mas sim as consequências de seus atos como defensores da Terra, já que acima de tudo, eles são humanos como qualquer outro (Menos o Superman, que é kryptoniano XP). O vilão agora é David Graves, escritor que até pouco tempo era adorador da Liga, sendo o escritor que deu nome ao super grupo. Durante a invasão de Darkseid, Graves foi exposto a algum tipo de radiação que matou sua família aos poucos e agora o levava a uma doença terminal. Desacreditado e pondo a culpa em seus heróis, Graves fez uma jornada até uma montanha onde entrou em contato com forças místicas que lhe concederam poderes místicos poderosos o suficiente para detonar toda a Liga. Resta aos heróis agora abandonar seus medos e restaurarem a paz novamente.

O que eu mais gosto nesse arco é o fato de alguns traços dos componentes do grupo serem aprofundados de verdade. Steve é retratado como um ser de extrema importância para seus companheiros (O que de fato ele é, levando em conta que é o carismático coronel quem toca tudo). Também vemos o quanto ele é apaixonado por Diana, arriscando a própria vida por ela. Outro também que merece destaque é Graves, que mantém suas convicções firmes até o final, sendo articuloso ao extremo.

Apesar de não ter muito o que comentar sobre esse arco, eu realmente o admiro, e aguardo ansiosamente pela edição #13, para saber o que se sucede depois desse arco. Aos curiosos, aqui está o motivo da minha curiosidade:
É... Eu baixo scan!

A referida acima edição #08 é uma edição, no mínimo, curiosa. Nela, o governo decide implantar um espião (Óbvio que o Arqueiro Verde) na Liga da Justiça, já que os mesmos se recusam a agir como uma divisão governamental. Ao se meter em muitas trapalhadas, o Arqueiro é convocado por Trevor para agir em outro time (Que deve ser a Liga da Justiça da América da imagem acima).
Leitura recomendada!

Nota:        

Obs.: As HQ's das linhas Lanterna Verde (Green Lantern, Green Lantern Corps, Green Lantern: New Guardians e Red Lanterns) e Batman (Batman and Robin, Nightwing, Batwing Batgirl) não fazem parte da linha do reboot da DC.

Nenhum comentário :